Outro vídeo de Carlos reforça que arquivos da portaria podem estar sendo manipulados

Outro vídeo de Carlos reforça que arquivos da portaria podem estar sendo manipulados
Reprodução: Instagram.

Um segundo vídeo publicado por Carlos Bolsonaro no Twitter na última quinta-feira, 30 de setembro – posterior ao vídeo em que Carlos aciona o áudio de Ronnie Lessa dando ok para visita de Élcio de Queiroz -, reforça que os arquivos das gravações da portaria do Vivendas da Barra podem estar sendo manejados, movidos, manipulados, e no próprio computador da administração, mesmo depois da reportagem do Jornal Nacional sobre a citação do nome de Jair Bolsonaro por um porteiro do condomínio.

No segundo vídeo, pode-se ver na aba esquerda do Windows Explorer que surge uma pasta nomeada “GRAVAÇÕES”, abaixo do diretório “Rede”. A pasta, diferente da pasta “2018_03_14”, onde aparecem arquivados os áudios mostrados por Carlos, não estava lá no primeiro vídeo. O intervalo entre a publicação dos dois vídeos é de menos de três horas: o primeiro foi postado no Twitter às 10h42; o segundo foi postado às 13h26.

Capturas de tela do primeiro vídeo e do segundo vídeo postados por Carlos Bolsonaro na quinta-feira.

Um novo Queiroz

É absolutamente espantoso que, diante da confissão de Bolsonaro neste sábado, 2 de novembro, de que se apropriou dos arquivos de áudio da portaria do condomínio, isto aliado ao que este Come Ananás mostrou neste sábado também, que os arquivos aparentemente foram de alguma maneira manejados, é absolutamente espantoso, dizíamos, que ainda ontem o Ministério Público não tenha corrido atrás de um mandado judicial para ir ao número 3100 da avenida Lúcio Costa, na Barra, a fim de apreender a máquina que guarda a memória do vaivém no condomínio.

O computador da administração do Vivendas da Barra é o novo Fabrício Queiroz.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também:

Jair Bolsonaro confessa crime de obstrução da justiça

Jair Bolsonaro confessa crime de obstrução da justiça