A notícia está prestes. Receba o boletim.

O executivo-chefe (CEO) do Carrefour Brasil, Noël Prioux, que é francês como a matriz, participou como entrevistado do livro “A empresa antirracista”, organizado pelo jornalista e publicitário Mauricio Pestana e lançado no dia último 9 de novembro, 10 dias antes do assassinato do homem negro João Alberto Silveira Freitas por seguranças do Carrefour numa loja da multi em Porto Alegre.

Na entrevista para o livro dada a Mauricio Pestana, diz assim Prioux, que ganhou o prêmio Personalidade do Ano 2019 da Câmara de Comércio Brasil-França, ou melhor, França-Brasil:

“Aqui no Carrefour temos um forte propósito de cuidar e valorizar todas as pessoas, zelando pela boa qualidade das relações que mantemos com todos. Por isso, nos comprometemos em atuar em conformidade com normas internacionais e nacionais de direitos humanos, além de boas práticas de responsabilidade social. Iniciamos nosso trabalho mais especificamente no ano de 2012, com a elaboração de uma Política de Valorização da Diversidade com o objetivo de disseminar a cultura do respeito a todas as pessoas e combater todo e qualquer tipo de discriminação. No mesmo ano, criamos uma Plataforma de Diversidade e Inclusão, que busca trabalhar com todos os públicos: colaboradores, clientes, fornecedores e sociedade civil, com o objetivo de impactar o negócio, a marca e a sociedade, por meio da promoção da igualdade de oportunidades e um ambiente de trabalho com respeito”.

Na entrevista, Prioux, que comanda o Carrefour Brasil desde 2017, defende ainda que as empresas promovam “o letramento racial dos colaboradores”.

A Agir, selo da Ediouro, promoveu seu livro com o CEO do Carrefour Brasil como dica de leitura para a Semana da Consciência Negra. João Alberto foi morto nas dependências de um Carrefour na véspera do Dia da Consciência Negra. Em nota divulgada horas após o crime, o Carrefour afirmou, sutilmente, que não responde pelos seguranças que cometeram o assassinato:

Deixe um comentário

Deixe um comentário