E o Gabigol, no fim das contas, ajoelhou-se para Witzel

E o Gabigol, no fim das contas, ajoelhou-se para Witzel

Hoje, mais cedo, este Come Ananás publicou um artigo sobre o terceiro de gol do Gabigol, contra o fascista, na final da Libertadores da América. Parece que o gol foi anulado pelo VAR.

Dizíamos, porém, no artigo anterior:

“Mas Witzel não costuma se fazer de rogado para tratar as derrotas como se fossem vitórias. Naquela crônica, Nelson Rodrigues notou que a Inglaterra, ‘tratou a derrota como se vitória fosse’: ‘esvaziaram a humilhação de todo dramatismo’; ‘ninguém faz um império sem um implacável cinismo’; ‘com o cinismo de grande povo, o inglês inverte magicamente tudo em seu favor'”.

Com o disse a professora Sylvia Moretzsohn, “os verdadeiros heróis são muito raros”.

Lei também:

  1. O nazi é um tremendo cara-de-pau e fez questão de não passar recibo. Não acho que o jogador tenha-se “ajoelhado”; simplesmente não se recusou à foto no vestiário – e não sabemos que pressões deve ter sofrido pra isto.

    1. Concordo com vc sobre a pressão que o Gabriel deve ter recebido. Esse jogador tem o gênio forte. O primeiro encontro do( *#@”) com Gabriel foi muito divulgado. E o coiso é insistente, deu nisso. É a minha opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também:

Olé-gol do Gabigol: Wilson Witzel à sombra do artilheiro em flor

Olé-gol do Gabigol: Wilson Witzel à sombra do artilheiro em flor